quinta-feira, 19 de maio de 2011

Um Ás de trunfo – Brownie

A minha família tem um jogo de baralho tipo tradição, passando de geração pra geração e tudo mais. Nunca conheci alguém, que não fosse da família, que soubesse jogar – ou que se animasse a aprender. Minha mãe já tentou ensinar pro meu pai, mas ele não gosta. Já tentei passar pra Hugo, mas ele também não se apegou (ainda!)... Enfim, o certo é que quando tivermos um tempo livre e as mulheres da família estiverem animadas, vão rolar algumas partidinhas de SUECA.

Jogado em duplas que se comunicam através de sinais – piscadinha de olho, olhadinha pra cima, mordidinha no lábio, etc (que torna o jogo engraçado pra quem está só assistindo) – o objetivo é basicamente que uma dupla faça todas as jogadas e não deixe a outra colocar nem uma cartinha na mesa. E quando isso acontece, diz-se que a dupla “deu uma sueca” na outra, sacaram?

Antes de iniciar a partida define-se aleatoriamente qual dos naipes será o trunfo: o trunfo será o naipe que valerá mais sobre todos os outros. Na ordem de grandeza do jogo, o Ás e o 7, seguidos do Reis, do Valete e da Dama são as cartas que valem mais. Assim, o Ás do Trunfo é a carta mais poderosa do jogo! Então, meu bem, se você e sua dupla tiverem um jogo muuito ruim mas tiverem um Ás de trunfo... Rá! Sua cabeça estará salva!

Na cozinha, o trunfo é AQUELE prato que você faz nos momentos de tensão. Por exemplo, numa reunião de família que todos vão perguntar pra você “fez o que pra hoje?”, porque você tem um blog sobre comida e todo mundo acha que você sabe cozinhar – quando na verdade você só tenta.

Certo dia eu fiz um brownie e ele deu super certo. Então veio o dia das mães e eu, já preparada para ouvir a pergunta dos que acham que eu cozinho muito bem, pensei e pensei o que eu faria, resolvi fazer um repeteco, dessa vez com castanhas, e acabei descobrindo que ele é o meu ás de trunfo! Porque ele sem nada fica bom, com castanha fica melhor ainda e, o melhor de tudo, é mega fácil de fazer! É sucesso!

O primeiro, sem castanhas

O segundo, com castanhas (delícia!)

Então assim... enquanto eu não for uma cozinheira de mão cheia e tiver várias receitas que consiga fazer com a mão nas costas, vai ter dia das mães, dos pais, natal, São João, aniversário de boneca, e o que mais você me convidar, que para não chegar de mãos vazias eu vou tirar minha carta da manga... Brownie! Rá!

A receita é lá do Na Minha Panela


Ingredientes:
200g de chocolate meio-amargo
100g de margarina
3 ovos inteiros
140g de farinha de trigo
200g de açúcar.

Modo de fazer:
Derreta o chocolate com a margarina em banho-maria ou no micro-ondas (1min e meio bastam), misture a esse creme os ovos, a farinha de trigo e o açúcar, até formar uma massa grossa e homogênea.
A dica é cobrir a assadeira (de uns 30 cm) com papel alumínio, untá-lo com margarina e só depois jogar a massa. Assar em fogo bem baixinho por aproximadamente uns 40 min. O ponto certo é quando formar uma casquinha em cima e quando espetar o palito, grudar uns pedacinhos.



PS: Alguém aí conhece/sabe jogar sueca?

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Bolo colorido e confeitado - Brincando de fazer bolo (Parte II)

A Cobertura

O bolo confeitado que eu sonhava fazer (esse aqui) era com cobertura branca, mas como eu não sei fazer a tal e não sei nem que gosto tem, resolvi enfrentar essa minha primeira luta, eu e o saco de confeitar, com a boa e velha cobertura de brigadeiro.

Para isto, usei a receita do Aqui na Cozinha, blog da Patty Martins lá de Garanhuns.

(Aqui a receita que eu fiz, só metade)
Ingredientes:
1 lata de leite condensado
1 colher (de sopa) de farinha de trigo (colher rasa)
2 colher e 1/2 (de sopa) de chocolate em pó (o dos padres)
1 colher (de sopa) de manteiga (colher rasa)
1/2 lata de creme de leite sem o soro

Modo de Preparo: Em uma tigela funda de vidro coloque a farinha de trigo, o chocolate e o creme de leite e misture bem até dissolver todas as bolinhas. Acrescente os outros ingredientes e misture mais até ficar homogêneo. Leve ao micro-ondas em potência alta por 2 minutos, pare e mexa. Faça isto algumas vezes até você ver que engrossou (isto depende da potência do seu micro-ondas). Lembre-se que quando esfriar ele vai engrossar mais, então tire um ponto antes.
Se quiser fazer no fogão, coloque os ingredientes da mesma forma em uma panela e leve ao fogo. Deixe em fogo baixo e mexa bem para não empelotar.


Adepta da praticidade, fiz no micro-ondas e mesmo sem nunca ter feito brigadeiro no dito cujo, super funcionou. O único “probleminha” é que ficaram algumas bolinhas de chocolate, mas que agora aprendi (é, primeiro você faz errado, depois você aprende) que quando for fazer alguma coisa com o chocolate do Padre é melhor peneirar antes. (Ou será que eram essas as bolinhas que eu tinha que dissolver antes de colocar no micro?)

Então fiquei uns bons minutos mexendo e mexendo e mexendo até esfriar e poder colocar no saquinho de confeitar. E aí foi mão na massa. Lembrando que eu não estava sozinha nessa brincadeira, mami também estava se divertindo comigo.

Primeiro cobrimos todo o bolo com uma espátula, colocamos o brigadeiro no saquinho com o biquinho que faz florzinha (e as confeiteiras se contorcem nesse momento com a minha explicação) e fui em frente. Tentei fazer as flores do bolo que eu sonhava, só que elas ficaram bem menores e só depois de algumas florzinhas foi que eu peguei a manha do movimento. Se você é do interior aqui do Nordeste e sabe o que é ALFENIM, vai achar minhas florzinhas bem parecidas com um monte de alfenim em cima de um bolo. Só que de chocolate.

Tirando a fraqueza que deu nas minhas mãozinhas sedentárias, e a cobertura que queria sair por cima do saco, foi tudo lindo. Já quero fazer de novo! E quero uns bicos de confeitar maiores e mais legais porque os meus são de plástico =P (da revistinha da Avon...).




E obrigada a mamis, que até levou o primeiro pedaço, já que esteve junto comigo nesta batalha. Inclusive arrumou a bagunça que eu fiz na cozinha. Na cozinha e em mim, que no fim das contas tinha chocolate até no cotovelo.

UPDATE: Esqueci de dizer que na hora de cantar parabéns com a família, todos adimiraram a arte, mas fizeram cara feia quando parti, por causa das tintas... aí comeram pra não fazer desfeita com a aniversariante e acabaram repetindo. Todos! =D

domingo, 8 de maio de 2011

Bolo colorido e confeitado - Brincando de fazer bolo (Parte I)

Era sábado de um feriado bem preguiçoso e igualmente chuvoso. Era meu aniversário e eu não queria fazer festa. Mas acontece que eu não dispenso o “fazer um pedido e apagar a velinha, sabe”? Tô numa vibe supersticiosa que me garante que isso vai dar sorte. Então resolvi juntar esses dois eventos para juntar também duas coisas que eu queria muito fazer: o bolo colorido e confeitado!

Sim, sim! Você que achou que eu estava falando da boca pra fora, que fez cara de nojinho dizendo que o bolo tinha muita tinta e que achou que o meu saquinho de confeitar ia ficar esquecido no armário para todo o sempre, acabou de morder a língua! Ai!

O Bolo

Tá bom, admito que não fiz sozinha. E nem posso dizer que fui apenas assessorada por mami porque, veja só, ela fez o bolo! Eu só fiz colorir! Sabe como é... bolo de aniversário é o tipo de coisa que não pode dar errado, não é verdade? E ainda por cima num feriado, que eu nem sabia se a Deli Doces estaria aberta para qualquer emergência...

De qualquer maneira a receita do bolo de mami é essa aqui (Mas, se você tiver a fim de experimentar, pode fazer com a massa de bolo normal que você quiser, depois é só colorir):

Ingredientes:
4 ovos
2 xícaras de açúcar
4 colheres de sopa, bem cheias, de margarina
4 xícaras de farinha de trigo
½ xícara de leite de coco
½ xícara de leite de gado
Sal a gosto
1 colher de sopa de fermento

Modo de fazer: Na batedeira, bater bem os ovos, açúcar e manteiga. Depois, acrescentar o leite, a farinha e o fermento, alternadamente. (colocar uma pitada de sal). Assar numa forma untada por uns 35/40 minutos.


Depois da massa pronta, separamos em 5 partes e fomos colorir. Todo um recordar é viver das minhas aulas de educação artística da 5ª série, que seria uma aula perfeita se eu tivesse comprado as cores primárias corretamente (amarelo, azul e vermelho), mas no lugar do azul só tinha o verde na loja.



Ficamos com cinco cores de massa:

Verde
Amarelo
Rosa (que é a tinta vermelha, que deixou a massa rosa-pink!), e aí vieram as misturas:
Vermelho + amarelo = laranja
E vermelho + amarelo + verde = ?? cor feia e indefinida.

Montei colocando um pouco de cada cor (no olhômetro mesmo) a partir do centro da forma, intercalando sem parar. Ficou assim:



Assando, o bolo cresceu lindamente até uns 30 minutos, depois disso a coisa começou a desandar... Não é a primeira vez que acontece e não descobrimos ainda o motivo, talvez a altura da minha forma ou o forno novo que ainda não nos acostumamos. Fato é que depois de uns 30 minutos, ele resolveu que ia crescer só no meio e no fim das contas acabou com um formato bem estranho e desanimador. Imagine uma tenda de circo, daquelas com a ponta pra cima e uma bandeirinha lá no alto. Agora realize um bolo nesse formato...

Mas, como dizem, nada se perde, tudo se transforma. Decapitamos a ponta do iceberg Cortamos fora a ponta e ele virou um bolo normal, pronto para a segunda fase: a cobertura!

E como se trata de uma mega produção, eu fiquei tão orgulhosa que não consigo falar pouco =P. Então pra não cansar ninguém, falo sobre a cobertura e mostro as fotos dele amanhã., ok? Quem voltar, verá!

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Oompa Loompas

O que fazer com o chocolate que sobrou? Biscoitos, bombons! Quem diria, a cozinha de guerrilha quase virou uma fábrica de chocolates na tarde da Sexta-feira da Paixão. Com o chorinho do chocolate ainda deu para rechear e cobrir alguns biscoitos, além de uns bombons muito bons (com o perdão da redundância, mas tem bombom que não é bom) feito em copinhos descartáveis.



Isso deve ser uma boa para quem tem criança em casa e melhor ainda para quem tem criança hiperativa em casa que fica procurando o que fazer para não trelar. Então, compre uma barra de chocolate, faça receitas assim e antes de tudo isso, apresente a ela as versões da Fantásica Fábrica de Chocolate.

Com certeza a criança vai aprender alguma coisa. Se não com a receita ou com o filme, vai aprender a se controlar diante de tanto chocolate.