quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

O macarrão que deu certo

Verdade seja dita, eu fiquei MUITO frustrada depois do fracasso que foi o jantar com o Fettuccine Alfredo... tanto que no dia seguinte, voltei pra casa pensando e pensando em como eu faria um molho decente para o meu jantar, e desta vez só para mim mesmo – o que dava um certo alívio, porque errar só para mim é melhor que errar para a irmã que não come o que você faz, certo?

Então voltei com essa idéia na cabeça. Antes de chegar em casa, passei na casa de vovis e peguei uma revistinha de receitas, dessas que vem em revista, que tava de bobeira na mesa, e então eu vi a LUZ.

Revista "Delícias da Calu"
Nem vou copiar a receita aqui porque no fim das contas eu não obedeci as quantidades (já que era para uma pessoa só) e não tinha muitos dos ingredientes, seguindo com o que tinha em casa, tipo: a receita era de um tal de rigatone (que vendo a foto eu chamaria de penne, fácil) eu fiz com macarrão parafuso, substituí a salsa por coentro, orientada por mami, e não usei azeitonas.

Macarrão parafuso é uma coisa linda, gente. Cozinhou rapidinho e não ficou com uns “durinhos” que ficaram quando fiz o outro – coisa de principiante, assim espero. Então, o molho eu fiz assim – e dessa vez a receita vai de roxo mesmo porque foi só levemente inspirada na revista, belê?

Ingredientes (sem as quantidades, fiz tudo de olho mesmo...):
Óleo
Cebola
Coentro
Molho ou Extrato de Tomate (pra mim dá no mesmo =P)
Sal, pimenta do reino e orégano a gosto
Queijo mussarela ou prato (ou o que tiver, contato que derreta)

Preparei assim:
Coloquei um fio de óleo na panela. Quando esquentou, joguei a cebola bem picadinha, o extrato de tomate, o coentro, o sal, pimenta do reino e orégano (ou seja, tudo), misturei bem e deixei cozinhando por uns, sei lá, 5 ou 7 minutos – sempre mexendo.

(O macarrão já sabe como faz, né?) Depois de escorrer o macarrão e de o molho estar pronto, misturei tudo na panela do molho e, como o forno de casa continuava não funcionando (uó!), apelei para o microondas. Coloquei o macarrão numa tigelinha charmosinha em formato de coração (ui, fofa!) e coloquei bastante queijo mussarela ralado por cima. Um minutinho no micro e ficou assim:


Que fofura
E, finalmente, o orgulho bateu na minha porta!! (e eu a-bri! Senhoras e senhores, ponha a mão no chão! Senhoras e senhores, pule de um pé só! Senhoras e senhores, dê uma rodadinha...) Ficou uma delícia! O queijo ficou derretidinho, daquele jeito que estiiica quando você dá uma garfada, sabe? Não sei explicar sabor não, mas ficou muito bom – e bem mais coloridinho que o do dia anterior! Hahaha

Se eu continuar nesse ritmo macarronístico, daqui uns dias vou descer as escadas rolando!

PS: fiquei matutando um nome pra ele, mas não surgiu nada... aqui em casa ele ficou conhecido simplesmente como “o macarrão que deu certo” – onde o Fettuccine Alfredo foi o que deu errado hehe 

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Aprendendo a fazer macarrão (e escolhendo o molho errado)

Cheguei numa fase do meu aprendizado onde fazer uma refeição, almoço ou jantar, mesmo que seja o mais simples possível é uma questão de honra. Como o macarrão é uma coisa relativamente fácil de fazer, resolvi começar por ele. Fiz umas duas vezes em casa, devidamente assessorada por mami – com molho feito por ela, então não conta para chamar de meu - e ajudei Hugo com o Espaguete à Carbonara que ficou delícia.

Então achei que estava pronta para encarar este desafio sozinha, mas claro que ia procurar a receita de molho mais simples da face da terra. E foi assim que cheguei nesse Fettuccine Alfredo do site Panelinha – que nunca havia experimentado mas, né, era super simples e tinha tudo em casa...:


Ingredientes:
1/2 pacote /250 g de fettuccine
1 xícara (chá) de creme de leite fresco
2 colheres (sopa) de manteiga
2/3 xícara (chá) de queijo parmesão ralado
sal a gosto

Modo de Preparo:
1. Numa panela grande, coloque 3 litros de água e 1 colher (sopa) de sal. Leve ao fogo alto. Quando a água ferver, coloque o macarrão e deixe cozinhar conforme as instruções da embalagem.

2. Enquanto o macarrão cozinha, comece a preparar o molho. Numa panela, junte a manteiga e o creme de leite fresco e leve ao fogo alto para ferver, mexendo sempre. Sem parar de mexer, deixe cozinhar por 3 minutos. Desligue o fogo e reserve.

3. Com cuidado, despeje o macarrão cozido em um escorredor. A seguir, transfira o fettuccine para 2 pratos individuais. Com uma colher, distribua o molho bem quente sobre o macarrão, misture e polvilhe com o parmesão ralado. Sirva a seguir.


Um belo dia cheguei mais cedo, irmã (que faz cara de nojinho pra quase tudo que eu faço) em casa, fiz o convite: vou fazer um macarrão pra gente, topas!? E ela topou, ó! Mostrei a receita, ela aprovou e fui à luta! Mas preciso dizer que isso de (1) fazer o macarrão sem deixar virar papa e (2) “enquanto isso” preparar o molho que você não pode PARAR de mexer é demais pra mim... Como posso fazer as duas coisas ao mesmo tempo? Como, meudeus? Acionei a mãe, claro... “Mãe, prova aí, acho que ta meio insosso”, disse sem parar de mexer e olhar o molho. Segundos depois só vi a super-pitada de sal – porque não foi uma pitada qualquer, foi uma mãozada! “Mãããe, eu já tinha coloca isso tudo de sal, vai ficar salgaaaado!!” E ela escorreu correndo e dizendo “Pronto, deu nem tempo de pegar o sal!” Pois é, para uma mãe exagerada só uma boa risada salva.

Então tá, o macarrão ficou bom (não ficou salgado, ufa!), coloquei nos pratos, coloquei o molho e minha irmã se empolgou na decoração do prato, como vocês podem ver na foto:

(Baixou a Ana Maria Braga na minha irmã)

Ficou uma lindeza, não foi? Pena que não posso dizer o mesmo do gosto... Pelo menos para o mim, que nem sou muito chegada em creme de leite. Muito branquelo, sem gosto... falta uma cor! Nem vou dizer que no fim das contas comemos com catchup, batata palha e um franguinho assado que sobrou do almoço pra vocês não pensarem que ficou ruim, mas enfim... Frustrei.

PS: Usei creme de leite de caixinha. Ouvi rumores de que creme de leite "fresco" (que nem sabia que era outra coisa) é muito diferente... É mesmo?

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Sucos e mais sucos – boas combinações

Esta postagem está entre as mais antigas do blog, talvez até tenha nascido junto com ele, mas só hoje foi possível concretizá-la. Ai você pergunta “Por quê? É tão fácil fazer suco!” e eu respondo: “Simples é, quando as frutas estão na safra, no ponto certo – nem tão verdes nem tão maduras – e no tempo certo”. Sim, no tempo certo, porque não adianta ter tudo e fazer um suco refrescante e geladinho em pleno período chuvoso!

Comecei a planejar esse blog depois de ver este episódio do Larica Total (abaixo), mas demorei muito a fazer por dois motivos: sempre resisti a idéia de me entregar às polpas e estava esperando o verão, para casar texto, imagem e época do ano. De fato, tivemos algumas dificuldades de reunir todas as frutas – uma vez que o verão não é o período de safra de todas elas – mas a maior dificuldade foi mesmo achar um dia ensolarado em janeiro, então... Sucos de fevereiro!



As combinações abaixo são diferentes das apresentadas no vídeo, e nem dá para chamar de receita, pois não temos medida certa. Isso depende do gosto de cada um. Então, vamos apenas dar umas orientações básicas e deixar sua imaginação fluir.

SUCO 1: Manga, cajá e limão
Este suco eu tomei numa barraquinha legal na ola de Ponta Negra, decorei e tentei repetir. Não lembro se são os mesmos ingredientes (não anotei, então posso estar enganado), mas o que importa é que ficou muito bom.


Bata no liquidificador a manga, um saquinho de polpa de cajá e esprema um limão na mistura (ou meio, se preferir).

O sabor da manga predomina, assim como o cheiro do cajá. A acidez do limão é leeeve. Sofisticado


SUCO 2: Melancia com mel
Nara que me mostrou este suco em um blog. É simples, na teoria, mas na hora de colocar a mão na massa, fica meio trabalhoso. Esprema a melancia com as mãos bem lavadas (sinta a fruta, qual o problema!), despeje num copo e coloque mel.

Eu jurava que este suco ficaria doce de enjoar e dar enxaqueca, mas não fica. Você sente o docinho do mel e a refrescância da melancia. Legal.


SUCO 3: Melancia com banana
Este é um clássico, já fiz algumas vezes aqui e não lembro bem onde aprendi, acho que foi na MTV. O suco é muito simples, basta espremer a melancia e jogar o suco no liquidificador com uma banana. Pronto, está pronto!


Este é o que eu mais gosto. Fica com um aspecto de vitamina e cor de rosa, mas é muito legal. A dica é colocar bastante gelo na hora de beber, porque ele dilui mais um pouco e fica bem legal. Delícia!

O detalhe é que não precisa colocar açúcar em nenhum dos sucos!

DICA: Para tirar o suco da melancia mais facilmente, você pode jogar algumas fatias da fruta dentro de um pano de prato e torcer. Sai todo o caldo. O problema é que se você usar um amaciante muito forte, seu suco pode ficar com gosto de “Confort” ou até mesmo de Omo. Outro problema é que é mais uma coisa para lavar depois de tomar o suco. Enfim, se você acha que vale a pena, use o pano.

DICA 2: Quem quiser acrescentar Vodca aos sucos, fique à vontade. Deve ficar bom, eu só não me responsabilizo pelas consequências.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Bolo de Chocolate e Coco ou testando a potência do liquidificador

Adoro bolo prestígio, como preferimos chamar aqui em casa um bolo com coco. E como vocês já devem ter percebido, também tenho uma quedinha por receitas que me parecem simples. Vamos combinar que liquidificador é quase sinônimo disso, certo?

Então, quando vi essa receita lá no blog Prato Fundo, com fotos lindas (sim, eu me influencio por boas imagens), de um bolo de chocolate e coco todinho feito no liquidificador, salvei logo e me preparei para fazê-lo completinho, com cobertura e tudo. E isso pra mim é um grande desafio!

Primeiro preciso dizer que o forno da minha casa está com defeito. Não sei bem o que é, mas não está legal fazer bolos, dia desses mami fez um e passou muito mais de uma hora para assar e ficar feio. Eu tive que preparar a massa em casa e levar para assar na casa de vovis, porque longe de mim fazer bagunça na casa dos outros... Nessa hora você finge que acredita que eu não fiz bagunça nas duas casas, ok? Ainda bem que casa de vó é casa de vó, né?

Ingredientes:
6 ovos médios em temperatura ambiente
250g de açúcar cristal (ou 1-1/4 xícara)
150g de chocolate em pó
100g de manteiga em temperatura ambiente
100g de coco ralado seco (não adoçado)
50g de achocolatado em pó
10g de fermento químico em pó

Modo: pré-aquecer o forno em 180-200ºC, untar e polvilhar uma fôrma de furo no meio (21 cm diâmetro).
No copo do liquidificador, colocar todos os ingredientes e bater muito bem por 5-8 minutos. Transferir para a fôrma.
Assar por 30-35 minutos. No teste do palito, deve sair úmido, mas sem massa crua. Retire, deixe esfriar e desenforme.


Tão simples, não é? É... Tirando o fato de que mami quase enfarta com o fato de eu depenar a bandeja de ovos da geladeira e que eu não tenho uma balança para medir os ingredientes; assim tive que fazer toda uma conversão maluca até chegar nas quantidades que acho que estavam certas. (para converter usei como base essa tabela aqui, que aliás é bem útil)

Certo, fui colocando os ingredientes no liquidificador (só então percebi que o chocolate em pó era pouco e tive que pedir arrego na casa da vó – 1ª viagem). Coloquei tudo e fui bater. A receita diz pra bater de 5 a 8 minutos e eu achei que eu ligaria e ia assistir O Clone e depois voltava - doce ilusão. Acontece que a massa é beeem pesada e, bom, o liquidificador de casa não é assim forte nem novo, sabe? Eu sinceramente achei que ele ia decolar em alguns momentos ou no mínimo queimar porque o bichinho esquentou e reclamou horrores. Então eu ligava e desligava e fui fazendo isso várias vezes até achar que já tinha batido o necessário.

Despejei a massa na forma untada, peguei os ingredientes da calda que eu ia fazer lá (olha a bagunça...) e migrei para a casa da vó (2ª viagem).
Confesso que como a massa era tão pesada achei que não ia crescer muito, mas cresceu e ficou lindão, muito embora tenha dado uma bela murchada quando saiu do forno – nada que abalasse o sabor. Toda orgulhosa, parti para a calda.


Ingredientes:
125mL de água
100g de açúcar cristal
40g de chocolate em pó
75g de chocolate ao leite picado

Modo: Numa panela coloque a água, açúcar cristal e o chocolate em pó. Misture bem para dissolver, leve ao fogo baixo. Espere ferver e marque 10 minutos, deve quase chegar no ponto de fio. Então, adicione o chocolate ao leite picado. Misture bem para derreter o chocolate, no meu, alguns pedacinhos ficaram para trás.
Verta sobre o bolo.

A calda foi bem tranquila de fazer. Fiz em fogo baixo porque mais alto e a coisa toda subia e derramaria no fogão. Na minha também ficaram alguns pedacinhos do chocolate e achei que foi isso que deu um tchan todo especial.

Troféu de bolo mais bonito que fiz até agora

Ficou delicioso! A mobilidade era tanta e juntou tanta gente para me ver fazendo o bolo (mãe, pai, irmã, avó, tias e tio) que mal esperaram eu tirar as fotos, experimentamos ainda quente. E melhor ainda ele estava no dia seguinte – não tão bonito, a calda ficou durinha, mas delicioso!

Talvez a técnica seja colocar os ingredientes e ir batendo aos poucos... ou ter um liquidificador muito bom e forte. Vivendo e aprendendo, né? Enfim... para quem confia no seu liquidificador, eu super indico.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Crepe de Camarão Peixoto

Só de ler a descrição do blog, lá em cima, perto do título "Bujão de dois", você já imagina que nós não temos muita experiência na cozinha. Mas, essa descrição - apesar de ainda ser a mais saborosa verdade - foi escrita há alguns meses, quando eu não tinha coragem sequer de fazer uma receita com metade dos ingredientes para não correr o risco de dar tudo errado.

Arriscar é fundamental para qualquer evolução. Por isso, há cerca de um mês fiz a primeira a primeira receita, o Petit Gateau da Roça - que não convenceu muita gente e foi bastante questionado (principalmente porque poucos perceberam que a arte do prato é fazê-lo parecida com um jacaré (clique e veja)).


Pois bem, na última sexta-feira de janeiro, quando minha mãe estava na dúvida sobre o que fazer para o almoço, sugeri fazer um crepe de sardinha (que receberia o nome de Crepe Sardete) e minha mãe disse as palavras mágicas "tem camarão no congelador". Pronto, foi a chance. A bola estava quicando na área esperando minha cabeçada em direção ao gol. A hora de arriscar havia chegado: "Vou fazer crepe de camarão! Vou criar o recheio."

Minha mãe nem questionou, pelo contrário, deu todo apoio e prontamente colocou o camarão para descongelar. Momentos depois estava ela lá a descascar um a um, perguntando o que mais eu iria usar.

Peguei então a receita da massa de crepe que havia no "manual de instruções" da chapa que iria usar. E comecei a imaginar os ingredientes que fariam parte do molho. Então, sem delongas, vamos à receita e, hoje, com o modo de preparo também escrito especialmente por mim!

CREPE DE CAMARÃO PEIXOTO


Ingredientes:
3 ovos inteiros
1 xícara de farinha de trigo
1 xícara e meia de leite
1 colher de sopa de óleo
sal

Modo de preparo:
Bater tudo no liquidificador e deixar descansar por 20 minutos. Fritar como se fossem panquecas, só que mais finas.

Recheio Camarão Peixoto (meu recheeeio, criação minha)

Ingredientes:

500 gramas de camarão descascado
100 gramas de molho pronto de tomate
1 dente de alho
1 cebola picada
azeite
azeitonas (salsa ou coentro)
orégano
sal a gosto
Queijo parmesão ralado (não industrializado) ou Queijo Coalho

Modo de preparo:
Refogue a cebola e o alho no azeite e, quando estiverem dourados, acrescente o molho de tomate, o camarão descascado e o sal. Deixe-os cozinhar por alguns minutos e acrescente as azeitonas - ou a salsa, ou o coentro. (O importante é que seja algo verde, para dar equilíbrio).

Quando você achar que está pronto e bonito, tire-o do fogo e começe a fritar a massa. Se tiver uma chapa fica mais fácil, basta untar e despejar a massa, deixando-a na espessura desejada. Se não tem, você pode fritar numa assadeira com antiaderente. Talvez dê mais trabalho para virar a massa e assar os dois lados, mas funciona.


Assado o crepe, despeje o recheio sobre a massa e acrescente o queijo (eu usei o Coalho) e feche. Em seguida, coloque um pouco de orégano sobre o crepe e pronto, está feito.


DICAS
Se quiser pôr mais azeite na hora de comer, fica ótimo. Também pode substituir o orégano por pimenta do reino.


O RESULTADO
Não preciso nem dizer que gostei, né? Foi a melhor receita que fiz até agora, e saiu da minha cuca. O melhor de tudo é que todos que provaram aprovaram a receita. Agora estou na dúvida se é melhor refazê-la para tentar melhorar ou partir para outra, com recheio de sardinha, atum ou carne bovina.

Ah, temos outro crepe - feito por Nara - para quem quiser ficar na dúvida sobre qual fazer ou não gostar de camarão.